Dono da macaca Kika é considerado inocente da acusação de maus-tratos.

O juiz do 3º Juizado Especial Criminal da Capital, Gilvan Macedo dos Santos, julgou improcedente a ação penal em face do mecânico Geraldo Miguel da Silva. Ele era acusado de praticar maus-tratos contra a sua macaca de estimação. A decisão foi preferida no último dia 8 de janeiro. Consta nos autos que, durante uma vistoria na casa de Geraldo da silva, foi encontrado um macaco-prego preso por uma coleira na cintura e amarrado a uma árvore plantada no terreno em frente a casa. Contudo, o autor do fato afirmou que possuía autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) para mantê-lo em cativeiro. Na ocasião, foi esclarecido que o animal estava em situação de maus-tratos contrariando a autorização expedida pelo órgão. A macaca foi apreendida pelo IBAMA em junho de 2011 e morreu um mês depois, no dia 30 de julho. A macaca Kika, como era chamada, vivia há 33 anos com o tutor. Na sentença, o magistrado afirmou que nenhum elemento comprovou a conduta atribuída ao autor do fato. “Minuciosamente compulsados os autos, verifica-se que apesar das alegações contidas na inicial acusatória, a instrução criminal não logrou êxito em alcançar a materialidade delitiva, inexistindo nos autos qualquer elemento de prova que sustente existência da conduta imputada ao autor do fato”. O magistrado também declarou insuficiente a alegação de que a macaca tinha uma corrente presa a sua cintura. “Ainda que fosse possível o reconhecimento de tais procedimentos decorrentes da forma como o animal foi mantido, é certo que, não haveria dolo por parte do suposto autor do fato, que segundo consta dos autos, criava a macaca como uma ‘filha'”. O juiz ainda destacou, na sentença, as condições precárias a que o animal foi submetido, enquanto estava sob proteção do IBAMA. “Tenha-se em vista, ainda, que diante das condições precárias das instalações do IBAMA, demonstradas por meio da petição de folhas 215/220, acaso o animal não estivesse sofrendo maus-tratos, passou a sofre quando apreendido pelo referido órgão, tanto que morreu após trinta dias, após viver por três décadas com seu “pai”, escreveu. O processo envolvendo a macaca kika despertou muita atenção, pois foi o primeiro caso de maus-tratos levado a julgamento envolvendo um primata no Estado.

Texto: Vanessa Oliveira | Ascom TJPE. (13.01.2014).

Fonte: tjpe.com

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: